terça-feira, 29 de outubro de 2013

Marketing & Idéias: 10 livros que todo publicitário precisa ler.

 
O Dia Nacional do Livro é comemorado nesta terça-feira, 29 de outubro. Foi nesta data, em 1810, que a Real Biblioteca Portuguesa foi transferida para o Brasil, quando então foi fundada a Biblioteca Nacional.
 
Pensando nisso, o Adnews conversou com professores a fim de obter uma lista com 10 livros indispensáveis para qualquer publicitário. A lista serve como sugestão de títulos para o profissional da área ou interessados no assunto.
Neste imenso universo literário, é apenas um recorte da gama de títulos que precisam ser lidos. Após a leitura, sugira mais obras que você considere indispensáveis nos comentários.
Confira:
 
1 - Na Toca dos Leões
Autor: Fernando Morais
 


A história da W/Brasil (hoje WMcCann), uma das agências de propaganda mais premiadas do mundo, contada em detalhes. A indicação é do professor João Elias Nery, pós-doutor em comunicação social e coordenador do curso de publicidade da Faculdade Cantareira.
A obra, de quase 500 páginas, exibe o mundo da publicidade, visto por muitos como glamouroso e superficial, "sem maquiagem".
"Nesse livro, que segue a linha de outros de autoria de Fernando Morais, a publicidade brasileira é apresentada e analisada a partir da trajetória de Washington Olivetto e seus sócios", explica Nery.
A obra esmiúça também o fatídico episódio do sequestro de Olivetto, ocorrido em 2001 e finalizado em 2002.

2 - A Publicidade É Um Cadáver Que Nos Sorri
Autor: Oliviero Toscani
 


O que uma das figuras mais polêmicas da publicidade pode nos dizer? Oliviero Toscani adota uma postura contestadora também em sua obra literária mais famosa.
"O livro de Toscani segue a linha provocadora das campanhas criadas pelo fotógrafo italiano para a marca Benetton", ressalta o professor Nery.
A famosa estilista Sonia Rykiel possui uma das definições mais famosas sobre a arte de Toscani. “A publicidade não é a normalidade, mas o anormal. O normal em publicidade não interessa, não toca. Até onde se pode ir dentro da anormalidade para provocar? A campanha da Benetton é provocante, irritante, atraente, no limite, além dos limites”, diz.

3 - Confissões de um publicitário
Autor: David Ogilvy
 


Um dos grandes gênios da história da publicidade mundial, David Ogilvy é autor dos mais deliciosos aforismos sobre o universo criativo.
O livro reúne e relata as experiências do publicitário, protagonista deste universo durante um período de grandes mudanças, no qual se destacam a formação dos conglomerados multinacionais de publicidade e a globalização da propaganda.
"Trata-se de um dos legados mais sólidos e permanentes deixados por seu autor para o ofício e para o negócio da comunicação e do marketing. E essa herança não se recebe apenas em tais atividades, mas também nos campos e nas disciplinas que concernem ao administrador, ao empresário, ao sociólogo, enfim, ao ser humano interessado", diz o coordenador do curso de Publicidade da Faculdade Cantareira.

4 – Propaganda
Autores: David H. Schaefer, William F. Arens e Michael F. Weigold



Obra ideal para quem deseja um livro que faz um apanhado geral da área de propaganda, oferecendo, mesmo aos profissionais mais gabaritados, uma revisão bem detalhada das funções e estratégias em publicidade e propaganda.
A dica é de Fabio Caim, coordenador dos cursos de publicidade e propaganda da Uninove, além de professor nas Faculdades de Campinas, a FACAMP.
"Meu interesse especial fica no Módulo 2 que trabalha com a ideia de público-alvo dentro do campo do comportamento do consumidor. Essa abordagem é difícil de ser encontrada em outros livros", analisa o profissional que também é doutor em comunicação e semiótica pela PUC.

5 - Estratégias semióticas da publicidade
Autores: Lucia Santaella e Winfried Nöth
 


Segundo o professor Caim, é um dos poucos livros que faz uma abordagem das visões semióticas que podem ser aplicadas à área de publicidade e propaganda.
Outras obras nessa área seriam do Professor Roberto Chiachiri (que demonstra análises semióticas da publicidade), da Professora Clotide Perez (sobre marcas) e, também, um do próprio professor da FACAMP, intitulado "Singularidades Contemporâneas do Masculino na Publicidade Impressa".

6 - Gestão de Marketing e Comunicação: avanços e aplicações
Autor: Mitsuru Higuchi Yanaze
 


A obra de Mitsuru Higuchi apresenta os principais conceitos e modelos de marketing e comunicação e aborda um tema bastante discutido entre as agências: o ROI.
“O livro propõe e discute alguns modelos de ROI de forma aprofundada e aplicada. A leitura é essencial para todo bom publicitário", afirma o coordenador de publicidade da Uninove.

7 - A Essência do Planejamento de Mídia
Autores: Arnold M. Barban, Steven M. Cristol e Frank J. Kopec
 


Em tempos de convergência das mídias, um livro que trata de seu planejamento não poderia faltar na lista. A dica é de Selma Felerico, doutora e mestre em comunicação e semiótica pela PUC e bacharel em comunicação social pela ESPM, onde também dá aula.
A obra dá dicas para transformar a análise e o conhecimento de mercado em definições corretas de mídia.

8 - Do Caos à Criação Publicitária
Autor: João Anzanello Carrascoza
 


Mais uma sugestão da professora Selma, o livro aborda o universo das referências culturais da propaganda e sua utilização no processo criativo.
O autor parte da premissa que quanto mais os profissionais da propaganda acumulam informações de universos culturais variados, mais persuasivos podem se tornar. A partir disso, dedica-se ao esclarecimento e à exemplificação de recursos discursivos, como a paródia, a estilização, a paráfrase e o ready-made. Por último, acende uma discussão sobre os limites do plágio, problema frequente no meio publicitário.

9 - Shopper marketing: a nova estratégia integrada de marketing para a conquista do cliente no ponto de venda
Autores: Rafael D’Andrea, Matheus Alberto Cônsoli e Leandro Angotti Guissoni



Um dos principais livros em português que discute e propõe estratégias para trabalhar o consumidor no ponto de venda.
De acordo com o professor Caim, a obra parte da premissa que no PDV o consumidor possui um comportamento diferenciado e que precisa ser estudado, para que se possa continuamente melhorar as estratégias de posicionamento das marcas.

10 - Propaganda Ilimitada, V.1
Autor: Francesc Petit
 


Para fechar a lista, o saudoso "P" da DPZ. Segundo Nery, essa nova edição da obra de Francesc Petit traz informações preciosas aos que já estão ou pretendem ingressar no universo criativo.
"São cerca de 30 capítulos em que [Petit] trata dos mais diversos segmentos dessa indústria tão competitiva. A conduta de um bom contato com o cliente, as dificuldades de criação de um designer ou de um diretor de comerciais na execução de um roteiro, o poder destrutivo de um layout ruim ou de um marketing canhestro e mentiroso, os desafios de uma renovação em marca tradicional são algumas das questões que passam pelo crivo do autor", descreve o professor.
Petit expressa nesse livro suas experiências como criativo e como homem de negócios em propaganda. A linguagem revela um observador apaixonado pelo que faz e o que há de mais relevante na vida e na trajetória de um publicitário.

Por Leonardo Araújo

Fonte: adnews.com.br

Marketing & Idéias: Qual o supermercado mais barato perto de você?

 
A PROTESTE realizou uma pesquisa de preços em todo o Brasil e lançou o Guia de Supermercados para indicar quais são os estabelecimentos mais baratos em cada região do país. Acesse, compare e economize no orçamento familiar. Compare os preços e economize na compra de alimentos, bebidas e artigos de higiene pessoal e limpeza.
 
Acesse o link Guia de Supermercado e veja o supermercado mais barato na sua cidade.
 
 
Fonte: www.proteste.org.br
 
 

domingo, 8 de setembro de 2013

Marketing & Idéias: Roberto Medina, o homem por trás do Rock in Rio.


 
Roberto Medina é um comunicador, não um produtor de eventos. Com muita lábia e persistência, ele conseguiu montar o maior festival do mundo (no Brasil!) e transformar o Rock in Rio em uma marca global.
 
Roberto Medina viu Frank Sinatra chorar num camarim. Ganhou de Freddie Mercury uma pintura de Salvador Dalí. Teve seu nome gravado no Guinness, o livro dos recordes, pelo menos duas vezes: como promotor daquele que foi, até então, o maior show de um artista solo (Sinatra no Maracanã em 1980, para 175 mil pessoas) e do maior festival de música da história, o Rock in Rio original, de 1985, que atraiu 1,38 milhão de pessoas à Cidade do Rock nos dez dias de festival. Está consagrado como publicitário e promoter há mais de 30 anos, mas nunca se esqueceu de que o diabo mora nos detalhes. Na tarde atipicamente quente da primeira terça-feira de agosto, ele podia ser encontrado no QG do Rock in Rio, na Barra, inspecionando pessoalmente vasos de flores para escolher quais seriam usadas na área VIP do Rock in Rio 2013, com abertura prevista para dali a 38 dias. “Escolhi duas e achei as outras uma porcaria”, diz ele, com ares de entendido. “Eu vou no detalhe do detalhe. É aí que você ganha o jogo.”

Por mais que ostente um line up com dezenas de astros nacionais e internacionais, o Rock in Rio deixou faz tempo de ser (apenas) um evento musical. Pergunte a Medina o que o festival deste ano terá de especial e ele discorrerá por longos minutos sobre as novidades, sem mencionar  um único artista: das bandas tocando no telhado à la Beatles a um dragão soltando fumaça na “Rock Street”, da cenografia de 40 toneladas no palco Sunset ao maior telão de LED já instalado no Brasil. Tudo isso tem mais a ver com experiência do que com rock’n’roll. Guarda pouca relação com o que representou para mais de 200 mil roqueiros ver, por exemplo, o Queen em ação no primeiro festival. “Em 1985, o Rock in Rio trouxe três vezes mais bandas estrangeiras para o Brasil de uma vez só do que nos dez anos anteriores”, lembra Dinho Ouro Preto, vocalista do Capital Inicial, que gravou o seu primeiro disco um ano depois. “Foi uma época de profissionalização do rock brasileiro.”
 
Ao contrário de outros artistas nacionais, como Carlinhos Brown e Lobão, o Capital Inicial se saiu bem nas três vezes em que participou do festival e está escalado para o evento deste ano. Dinho ficou amigo de Medina em 2001, ano em que seis bandas brasileiras, entre as quais Skank e O Rappa, boicotaram o Rock in Rio, alegando que não teriam a mesma estrutura dos grupos estrangeiros. A dupla hoje troca figurinhas sobre o line up do festival – e Dinho pode escolher a noite em que prefere tocar com sua banda. Por ele, até haveria mais rock, mas o ecletismo é marca registrada do Rock in Rio desde a sua primeira edição, que tinha jazz, MPB, Novos Baianos e velhos pernambucanos. Medina juntou tribos desde o início porque precisava pagar suas contas.

No primeiro Rock in Rio, cada ingresso custava o equivalente a US$ 10. Lá fora, um evento semelhante cobrava até US$ 80. Detalhe: o custo do festival aqui era três vezes maior, já que tudo era importado. Para transformar em realidade o sonho de erguer uma Cidade do Rock para centenas de milhares de fãs, Medina teria de conquistar um patrocinador de US$ 25 milhões. Atrair corporações para o universo então marginal do rock’n’roll era tão improvável que, no início, mesmo na Artplan, a agência de Medina, ninguém acreditava no projeto. Naquela época, ele ainda não conhecia bem um dos jovens talentos de sua equipe, um baiano gordinho chamado Nizan Guanaes. O atual controlador do Grupo ABC de comunicação estava começando em propaganda. Ao final da primeira reunião em que Medina apresentou o projeto do Rock in Rio à sua equipe, Nizan ficou na sala até o resto do time ir embora e arriscou um conselho ao patrão. Já que a ideia parecia uma loucura, o melhor a fazer era adotar um discurso corporativo, apresentar o projeto a potenciais patrocinadores não como a realização de um sonho, mas como uma tremenda oportunidade de exposição para marcas em busca de canais de comunicação com o público jovem. Àquela altura, a Brahma tinha pesquisas mostrando um envelhecimento de sua imagem. Para rejuvenescer, a cervejaria  carioca estava lançando uma nova  marca, Malt 90, e queria se conectar ao público jovem. Em vez de uma campanha convencional, Medina propôs o patrocínio ao Rock in Rio. Saiu com um cheque de mais de US$ 20 milhões.

Foi assim também com a Rede Globo. “O Roberto me apresentou a ideia do Rock in Rio sem um único papel com números. O entusiasmo dele era tão grande que comprei a ideia”, lembra José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, que era então o poderoso vice-presidente de operações da emissora. “De início, não foi lucrativo para ninguém, mas, para a Globo, foi importante para se aproximar do público jovem.” Misto de produtor de shows e publicitário, Medina não espera que os patrocinadores elaborem campanhas com a marca Rock in Rio. Em vez disso, cria ele mesmo campanhas sob medida para potenciais parceiros e apresenta às empresas e suas agências. Esse modus operandi não é novo. Jaques Lewkowicz, sócio-fundador da agência Lew’Lara, conheceu Medina quando ele estava abrindo a filial da Artplan em São Paulo, em meados dos anos 70. Já então, quando ia prospectar uma conta, Medina às vezes levava o filme publicitário pronto. “Ele arriscava. Tinha uma ideia, discutia com sua equipe, pagava a produção do próprio bolso e apresentava a um potencial cliente”, conta Lewkowicz.
Fabio Fernandes, atual sócio-presidente e diretor de criação da F/Nazca Saatchi & Saatchi, chegou à Artplan em março de 1985, logo depois do Rock in Rio, e viveu outra realidade. “O Roberto, na fase que peguei, já tinha pouco envolvimento com publicidade. Até por isso, o ambiente na agência era muito propício à criatividade”, lembra. Parece uma crítica, mas não é bem assim. “Na Artplan daquela época, você tinha o espaço que conseguia ocupar. Não era uma dessas agências em que só o dono brilha”, diz Fernandes. De certo modo, Medina sempre foi uma figura quixotesca, no sentido de perseguir objetivos que só parecem fazer sentido em sua cabeça. Sua fixação por Dom Quixote, aliás, é tão conhecida que, no primeiro Rock in Rio, Freddie Mercury o presenteou com um desenho do “engenhoso fidalgo de La Mancha” assinado por Salvador Dalí. Medina já fora quixotesco, em 1976, quando se propôs a escalar o ator David Niven para um comercial do Passport. Quando realizou o filme, aumentou as vendas do uísque em 900% e, desafiado pela Seagram a fazer melhor, pôs na mesa um nome ainda mais inatingível: Frank Sinatra. “The Voice” nunca havia feito propaganda de TV em sua carreira.
  
Para chegar à fera, Medina gastou semanas no encalço de Mickey Rudin, o mítico empresário de Sinatra. Na sequência, quase enlouqueceu nas negociações com o entourage do cantor, mas saiu de Las Vegas com um contrato assinado e uma garrafa de Royal Salute, que ganhou de Rudin e guarda até hoje como um troféu. Quando voltou para acompanhar a gravação, Medina recebeu a notícia: “A mãe do Frank morreu”. O avião que levava Natalie Sinatra de Palm Springs a Las Vegas, para assistir ao show do filho naquela noite, caíra horas antes. A gravação, naturalmente, estava cancelada, mas Rudin lhe concedeu uma chance com Sinatra. “Aliviado, Medina entrou no camarim do astro (...). Sinatra estava chorando, quase inconsolável”, narra Marcos Eduardo Neves, em Vendedor de Sonhos, a biografia de Medina. “Em minutos, o cantor lavava o rosto, sua equipe o maquiava e, finalmente, a estrela dirigia as primeiras palavras a Roberto Medina:

– Só vou gravar uma vez, está bom para você? – um primeiro contato um tanto frio.
– Está sim.

Medina então lhe entregou um berimbau de prata que comprara para presenteá-lo. Gentil, Sinatra agradeceu e perguntou:
– Como vai o Tom (Jobim)? Está bom?
– Está ótimo!
– Mande um abraço forte para ele. Diga que estou com saudade.
– Pode deixar, falo sim.
Sem perder mais tempo, o cantor sentou-se e gravou o comercial – praticamente o mesmo roteiro dito por David Niven. Ao término, virou-se para Medina:
– Está bom, chefe?
– Não – o brasileiro foi seco.
– É, eu sei. Vamos fazer outra vez, então.”
Missão cumprida, Medina foi provocado por Rudin no jantar de despedida: “E agora, rapaz? O que você quer mais da vida?”. Resposta: “O que quero mais? Ora! Levar o Frank Sinatra ao Brasil”. Como se sabe, ele, de fato, trouxe Sinatra para uma temporada no Rio de Janeiro, encerrada no Maracanã. A experiência, porém, lhe custou os primeiros cabelos brancos. Em parte pelos desafios – o show só foi confirmado cinco minutos antes do horário marcado, quando a chuva que caía sobre o Rio parou –, em parte por uma questão de gosto. “Nunca tive um ídolo nas bandas que contratei”, diz Medina. “Só o Sinatra. Quando estávamos juntos, eu ficava desconcertado feito macaca de auditório.” 

Medina fez 70 reuniões em 45 dias para convencer as grandes bandas a tocar em 1985. Ouviu 70 “nãos”. Só conseguiu convencê-las com a ajuda de Frank Sinatra. Trocar os engravatados com pinta de gangster do staff de Sinatra pelos empresários dos gigantes do rock foi um choque cultural. “Eu só andava de terno e gravata”, conta Medina em Vendedor de Sonhos. “Cheguei dessa forma, todo bem-vestido, a uma casa em Beverly Hills, para me apresentar ao empresário do Iron Maiden. Para minha surpresa, quem me recebeu na porta foi um cidadão de cueca, com uma barba enorme cheia de macarrão pendurado. Sentamos para levar um primeiro papo, e ele continuou comendo, nem se preocupou em tirar o macarrão da barba. Quando nos despedimos, saí dali (...) e disse: ‘Assim não vai dar! Vamos comprar uns jeans, senão os caras vão achar que somos do FBI ’.”

Medina fez quase 70 reuniões em 45 dias e ouviu 70 “nãos” aos seus convites para trazer as grandes bandas da época para o Brasil. O histórico do país no meio era o pior possível. Em 1982, boa parte do equipamento do Kiss fora roubado. Anos antes, Rick Wakeman levara um calote dos promotores brasileiros. O Queen tocara em São Paulo em 1981, mas teve o show no Maracanã cancelado em cima da hora por ordem do então governador Chagas Freitas, que achava a performance de Freddie Mercury inadequada para a família brasileira.

Medina precisava mostrar que era sério e, mais uma vez, apelou para Mickey Rudin, que lhe agendou uma entrevista coletiva com a nata da mídia musical dos Estados Unidos. O próprio Sinatra deu seus telefonemas. Funcionou. “Veio a imprensa americana me ouvir, e eu contei minha história. Foi uma bomba atômica, e os artistas começaram a aparecer”, diz Medina. O primeiro a acertar sua vinda foi Ozzy Osbourne. Depois o Queen. Nesse momento, o jogo virou, e bandas consagradas se voluntariaram para vir ao Brasil. O cachê mais alto foi pago ao Queen: US$ 600 mil (equivalentes a US$ 1,3 milhão atuais). No geral, porém, foi mais a aventura de tocar no maior festival da história, num lugar então tão fora do eixo, que trouxe roqueiros de grosso calibre ao país.

Algumas estrelas internacionais aceitaram tocar por metade de seus cachês usuais. Rod Smallwood, empresário do Iron Maiden, chegou a dizer que a banda veio só para conhecer as praias cariocas. Com o rock brasileiro prestes a explodir, a geração de grupos que se consagraria nos anos seguintes praticamente abriu mão do cachê em troca de exposição. Os Paralamas tocaram pelo que hoje seria R$ 2 mil. Ao todo, o Rock in Rio original custou R$ 46,5 milhões. Medina teria entrado com R$ 9 milhões – e saído com prejuízo de US$ 500 mil. Não porque tenha errado nas contas, mas porque planejava usar a Cidade do Rock por dez anos. Inesperadamente, foi obrigado a desmontar tudo de imediato pelo então governador Leonel Brizola. Sua expectativa era lucrar com uma segunda edição do evento, em 1986, mas a autorização estadual para o uso do espaço foi cassada, e as instalações, avaliadas em US$ 4,5 milhões, demolidas.

Os anos imediatamente anteriores – e os posteriores – à redemocratização foram politicamente confusos e deixaram sequelas na biografia de figuras públicas como Medina. Até hoje, o episódio de seu sequestro, em junho de 1990, rende teorias conspiratórias. Uma delas é a de que sua abdução por um bando ligado ao Comando Vermelho tenha sido forjada para forçar o Banco Central a liberar a entrada no país de US$ 3 milhões. Qual a origem da descrença? “Brizola”, diz Medina. “Foi o Brizola que inventou isso.” O inferno astral começou a acabar em 1991, com a realização do segundo Rock in Rio, dessa vez no Maracanã. É, talvez, a edição de menor brilho da história do festival, mas pelo menos as receitas empataram com as despesas. A partir de 2001, o Rock in Rio entrou no azul e, dez anos depois, estava transformado numa máquina de ganhar dinheiro. Só com a edição de 2011, a Artplan faturou estimados R$ 140 milhões. Do investimento total de R$ 90 milhões, R$ 55 milhões foram bancados por patrocinadores. Para a edição deste ano, a organização do evento licenciou mais de 600 produtos, incluindo carros e bicicletas. Sua venda no varejo deve gerar R$ 4,5 bilhões, mais que o dobro dos R$ 2 bilhões movimentados em 2011.

O Rock in Rio 2013 será o mais caro de todos, demandando investimentos de US$ 66,4 milhões. Serão sete dias de shows, com 140 bandas e o ecletismo costumeiro. Justin Timberlake, Ben Harper, Metallica e Iron Maiden são alguns dos nomes confirmados para o festival. Beyoncé é tratada como a atração principal desta edição. A um mês da abertura, 80% do evento estava montado, sem sobressaltos. Em contraste com a aventura épica de 1985, produzir o Rock in Rio hoje é quase rotina. Com o festival inserido no calendário cultural brasileiro em ritmo bienal, as energias de Medina estão concentradas na internacionalização definitiva do evento.

De início, a marca foi para o exterior quase por acaso. A ideia de levá-la para Portugal partiu de um publicitário lusitano, dono de uma pequena agência local, e inevitavelmente soou como piada. Foram tantos meses de insistência, porém, que Medina aceitou a contragosto cruzar o Atlântico – numa viagem de férias – para conhecer os detalhes do projeto. Voltou com o contrato assinado e, em 2004, realizou o primeiro Rock in Rio Lisboa. Apesar do início chocho, com Paul McCartney tocando para metade da lotação do espaço, o festival caiu no gosto dos portugueses e passou a ser realizado em todos os anos pares. Já foram cinco edições. O sucesso contagiou os espanhóis, e o Rock in Rio já armou seu circo em Madri três vezes. Se dependesse de Medina, o festival estaria na Argentina faz tempo. “Só não fiz um evento lá porque a presidente (Cristina Kirchner) não deixa mandar dinheiro para fora para pagar os artistas”, diz Medina.

Com o revés argentino, a prioridade passou a ser o mercado americano. Medina acaba de retornar de uma pequena temporada de prospecção de parceiros nos Estados Unidos, onde pretende estrear em 2015, quando o Rock in Rio completará 30 anos. Seu desafio é criar uma plataforma verdadeiramente global, com eventos em todos os continentes. Algo que ele compara a uma Copa do Mundo da música. No momento em que decidir reduzir o ritmo, Medina não precisará mais se envolver no dia a dia das empresas. Seus filhos mais velhos hoje dividem com ele a responsabilidade pelos negócios. Rodolfo, o primogênito, é o presidente da Artplan. Roberta trabalha com ele no Rock in Rio, com cargo de vice-presidente. No entanto, com 66 anos completados dia 21 de agosto, ele não tem nenhuma pressa para pendurar as guitarras. Primeiro, porque ama o que faz. Visivelmente. “Não me abasteço de dinheiro, me abasteço de felicidade”, diz. Segundo, pelo apego aos detalhes, que ele considera um grande diferencial de sua marca e não quer ver perdido. “Hoje, ninguém mais olha para as flores.”

Números do maior festival do mundo
 

12 edições realizadas
4 no brasil
5 em portugal
3 na espanha
A maior de todas:
Rock in Rio (1985), com público de 1,38 milhão de pessoas em dez dias
Público Acumulado: 6,5 milhões de pessoas
Audiência: A edição de 1991, no Maracanã, foi assistida por 580 milhões de espectadores em 55 países

1980

Num histórico dia 26 de janeiro, Frank Sinatra canta para 175 mil pessoas no Maracanã. Foram 20 clássicos em uma horas e 15 de show, incluindo I’ve Got You Under My Skin e The Lady Is a Tramp. Sinatra exigiu receber seu cachê de US$ 1 milhão 15 dias antes de subir ao palco, ou nem sairia dos Estados Unidos.


1985

O Rock in Rio original reuniu em dez dias 14 grupos estrangeiros – mais do que o Brasil havia recebido nos dez anos anteriores. Treze deles eram inéditos no país. Sua cenografia marcou época. O AC/DC entrou no palco com canhões, o Yes com raios laser e o Iron Maiden com o boneco Eddie. O festival reuniu 1,380 milhão de pessoas (quase três vezes o público de Woodstock)

Os grandes micos do Rock in Rio
 
• Erasmo Carlos foi hostilizado pelos então chamados metaleiros em 1985.
• Lobão foi atacado com latas de cerveja (algumas cheias de areia) na edição de 1991.
• Carlinhos Brown foi expulso do palco em 2001 sob uma chuva de garrafinhas plásticas de água mineral, no episódio que entrou para a história como “A noite das garrafadas”
• Nick Olivieri, baixista da banda americana Queens of the Stone Age, foi preso em flagrante por apresentar-se nu.


Fonte: gq.globo.com

domingo, 25 de agosto de 2013

Marketing & Idéias: Qualidade do atendimento ao cliente cai no Brasil.

 
 
 
O Ranking EXAME/IBRC revela que a qualidade do atendimento piorou no Brasil em 2012 - é a primeira vez que isso acontece. Confira abaixo quem subiu e quem caiu.
 
 
 
 
Fonte: EXAME/IBRC / Design: Juliana Pimenta

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Marketing & Idéias: TV, geladeira, fogão, computador e celular terão troca imediata.

 
Após cinco meses de embate com os empresários, o governo decidiu incluir celular, computador, TV, geladeira, máquina de lavar e fogão na lista dos chamados produtos essenciais, que terão regras mais rígidas para a solução de defeitos de fabricação.
 
Segundo a secretária nacional do consumidor do Ministério da Justiça, Juliana Pereira, que coordena os debates, a proposta atual prevê que as cidades do interior tenham prazos diferenciados para reparo dos produtos.
 
Nas capitais e nas regiões metropolitanas, o limite para a solução do problema deverá ser de aproximadamente 10 dias úteis. Para o restante do país, de 15 dias úteis.
 
A regra será aplicada aos produtos da lista que apresentem defeitos até 90 dias depois de adquiridos.
 
Quando entrar em vigor, quem descumprir a norma estará sujeito às multas previstas no Código de Defesa do Consumidor, que variam de R$ 200 mil a R$ 6 milhões.
 
Prevista inicialmente para abril, a lista que regulamenta artigo do Código de Defesa do Consumidor foi negociada com representantes do varejo e da indústria e será apresentada aos Procons nesta semana. Depois disso será encaminhada pelo ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) para aval da presidente Dilma Rousseff, a quem caberá a palavra final.
 
Dificuldade
 
O arranjo com prazos diferentes inicialmente desagradou à própria secretária, mas, segundo ela, foi necessário para chegar a um entendimento com a indústria, que reclamou da dificuldade de manter estoques disponíveis e garantir a troca num prazo curto em todo o país.
 
Hoje, o código garante às empresas prazo de 30 dias para solucionar o problema. Somente à partir daí o consumidor pode escolher se quer a troca, a restituição da quantia paga ou o abatimento do valor para compra de outra mercadoria.
 
A exceção são os chamados "produtos essenciais", em que essa escolha pode ser feita de forma "imediata". No entanto, 23 anos depois da aprovação do Código de Defesa do Consumidor, isso não foi regulamentado.
 
"Acho que ainda está longo [o prazo], mas é um avanço", disse Pereira. "Os produtos não são comprados para decoração, mas para uso, e ficar sem usá-los é um problema para qualquer cidadão."
 
Depois da publicação do decreto, o varejo e indústria terão seis meses para se adequar à nova regra. Com isso, só deverá entrar em vigor no início do ano que vem, praticamente um ano depois de a presidente Dilma ter lançado, em março deste ano, o Plano Nacional de Consumo e Cidadania, em que a implementação da lista era uma das poucas novidades.
 
 
Fonte: www1.folha.uol.com.br - Folha de S.Paulo

Marketing & Idéias: Cerveja Trooper, da banda Iron Maiden, chega ao Brasil.

 
Foram trazidas para o país 2,5 mil unidades da bebida, que já está esgotada. Negociações para um segundo lote estão sendo feitas.
 
Após um curto atraso na entrega, a cerveja “Trooper”, lançada pela banda de rock Iron Maiden, finalmente chegou ao Brasil, para alegria dos fãs de heavy metal e da bebida. As primeiras 2,5 mil garrafas chegaram ao país por meio da Cerveja Store, que fez vendas antecipadas para os mais apressados e incluiu o rótulo no kit de degustação que os sócios do Tasting Clube da empresa receberão em agosto.
 
Como era de se esperar, as unidades já estão esgotadas, mas já há negociações para trazer mais da bebida para o território nacional. E, se depender da avaliação do beer sommelier Rene Aduan Jr., consultor da Cerveja Store, valerá a pena esperar pela próxima leva.

Em resenha publicada no blog da companhia, ele afirmou que a “Trooper”, cujo nome foi inspirado no single homônimo lançado em 1983, é simples, porém “bem feita, levando em conta o ótimo equilíbrio entre os ingredientes”. O estilo do rótulo fabricado pela cervejaria Robinsons é o English Pale Ale e, segundo o especialista, o líquido tem boa formação de espuma de média retenção, aromas do malte e herbal do lúpulo, teor alcoólico moderado, doçura dos maltes e amargor persistente.

Os kits disponíveis na pré-venda, realizada desde o dia cinco deste mês, custavam de 59,90 reais (pack com três garrafas) até 209,90 reais (pack com 12), todos já esgotados. Ainda não há previsão de quando deverá chegar o próximo lote.

Confira a seguir o vídeo de apresentação (em inglês) da Trooper pelo vocalista Bruce Dickinson:




Fonte: exame.abril.com.br
 

domingo, 18 de agosto de 2013

Marketing & Idéias: Os 30 maiores anunciantes do país em 2013.

 
Dados do Ibope Media revelam uma mudança importante no mercado publicitário nacional.
 
A Unilever, dona das marcas Dove, Axe, Omo, entre outras, conquistou, no primeiro semestre deste ano, o posto de maior empresa anunciante do país. A Casas Bahia ocupava a posição há 11 anos.
Em comparação ao primeiro semestre de 2012, a multinacional de bens de consumo ampliou seus gastos com anúncios em 53%, foram R$ 2,2 bilhões investidos.
 
Já a Casas Bahia, por sua vez, reduziu em 5% o volume de capital investido em publicidade no mesmo período. Foram R$ 1,59 bilhão, segundo dados do Ibope Media.
 
Conforme informa a Folha, R$ 52 bilhões foram investidos em publicidade no país no primeiro semestre, um crescimento de 19% ante o mesmo período de 2012. Os valores não descontam a inflação do período.
 
No que se refere ao bolo publicitário, a TV obteve 53% dos investimentos, seguida pelos jornais, com 17%. Apesar do crescimento de internautas no país - chegamos aos 102 milhões, conforme informa o próprio Ibope - a rede mundial de computadores tem participação de apenas 7% do bolo.
 
TV por assinatura e revista, com 7% e 6% vêm em seguida.
 
Vale lembrar que em 2013, o instituto de pesquisa incluiu o "merchandising de TV" na conta. Esse tipo de ação obteve 5% do investimento total no primeiro semestre.
  
Confira a lista dos 30 maiores:
 
Ran 2012  Ran 2013 TOP 30 ANUNCIANTESJan a Jun/2013 Jan a Jun/2012 
R$ R$ 
2 1 UNILEVER BRASIL          2.242.541.890          1.463.915.000
1 2 CASAS BAHIA          1.593.341.010          1.684.650.000
# 3 GENOMMA          1.269.904.050             214.965.130
4 4 AMBEV             961.602.210             793.287.000
3 5 CAIXA (GFC)             710.817.490             796.527.000
9 6 VOLKSWAGEN             662.698.110             477.166.000
12 7 FIAT             587.781.020             416.671.000
13 8 PETROBRAS (GFC)             575.169.720             416.146.000
5 9 SKY BRASIL             548.852.520             777.950.000
17 10 HYPERMARCAS             496.422.420             404.121.000
19 11 RECKITT BENCKISER             481.924.540             351.593.000
11 12 VIVO             468.276.390             447.834.000
15 13 BRADESCO             435.059.700             405.814.000
16 14 GRUPO PAO DE ACUCAR             434.598.290             404.706.000
6 15 GENERAL MOTORS             404.640.900             539.874.000
# 16 RENAULT DO BRASIL             398.407.000             233.981.300
7 17 CERVEJARIA PETROPOLIS             390.278.470             484.914.000
21 18 BCO DO BRASIL (GFC)             379.709.080             342.290.000
# 19 L OREAL             376.408.440             242.323.170
24 20 COCA COLA             360.221.370             317.909.000
8 21 HYUNDAI CAOA             352.759.960             481.269.000
18 22 PROCTER E GAMBLE             350.243.460             393.197.000
23 23 ITAU             346.758.600             333.569.000
# 24 FORD             346.737.910             201.535.340
22 25 TIM BRASIL             342.953.490             339.296.000
30 26 HP - HEWLETT PACKARD             330.281.490             248.025.000
# 27 O BOTICARIO             307.205.730             204.981.190
25 28 NET COMUNICACAO             301.329.030             314.108.000
20 29 COLGATE PALMOLIVE             294.338.110             346.259.000
14 30 OI             291.000.130             415.483.000
         
# Não classificado entre os 30 maiores em 2012.  
 
 
Fonte: www.adnews.com.br
 
 
 
 

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Marketing & Idéias: 5 lições do Corinthians para o mundo corporativo.

 
Esporte e mundo corporativo mais uma vez se encontram com cinco lições extraídas de um time vencedor para o universo dos negócios.
 
* Por Tom Coelho
 
“Atrás desse cara ponderado, tem um cara intenso no que faz, apaixonado até demais.”(Adenor Leonardo Bacchi, o Tite)
 
Há cinco importantes lições que a equipe de futebol do Corinthians tem a legar ao mundo corporativo: efetividade, liderança, trabalho em equipe, marketing e paixão.
 
1. Efetividade
 
O mundo corporativo é muito preocupado com eficiência e eficácia. A eficiência pode ser definida como “fazer certo as coisas” e está associada ao respeito às normas e padrões, ao preenchimento de relatórios, à redução de custos sem comprometer a qualidade. Já a eficácia significa “fazer a coisa certa”, com foco exclusivo no objetivo, muitas vezes sem a devida atenção para com os processos. Assim, um vendedor pode visitar uma dezena de clientes em um dia, mostrando-se muito eficiente. Porém, se não fechar negócio algum, terá sido ineficaz. A efetividade é a união de ambos. A eficiência procura otimizar recursos, a eficácia busca atingir metas e a efetividade objetiva o resultado.
A equipe do Corinthians, sob o comando do técnico Tite, exemplifica bem esta tese. Em 188 jogos, teve um aproveitamento de 62% dos pontos disputados. Não é um número excepcional, mas o suficiente para levar a equipe à conquista de diversos torneios. Em 118 partidas (63% do total), o time venceu ou foi derrotado por apenas um gol de diferença ou empatou sem gols ou pelo placar mínimo. Desta forma, tornou-se um time difícil de ser batido, que marca muito bem, vende caro a derrota ou faz o mínimo necessário para vencer. Não joga bonito, mas levanta o troféu. Fazendo uma analogia, a seleção brasileira dirigida por Telê Santana nas Copas de 1982 e 1986 praticava o futebol-arte, mas como legado deixou apenas saudade...
Por isso, lembre-se: sua empresa pode ser bonita, bem organizada, com produtos e serviços excepcionais, um clima organizacional edificante e uma série de outros predicados. Porém, se a última linha do balanço não for de um azul reluzente, sua existência estará ameaçada.
 
2. Liderança
 
A vexatória eliminação do Corinthians para o colombiano Tolima, na pré-Libertadores de 2011, poderia ter marcado o fim de um período glorioso que estava por se iniciar. Naquela ocasião, a diretoria decidiu manter o técnico, contrariando a praxe de dispensar o treinador – algo similar a demitir o líder no mundo corporativo quando os resultados não aparecem no curto prazo.
Além disso, é função das lideranças combater a vaidade – iniciando pela própria. O líder deve ser um guia, um condutor e um mentor. Mas também deve ser enérgico, tomando decisões difíceis e até impopulares, afastando alguém do elenco ou mesmo punindo quando necessário. O líder deve ser exemplar – mas também inspirador.
 
3. Trabalho em equipe
 
O sucesso empresarial assemelha-se aos esportes coletivos na busca pela consagração. O êxito não é resultado de um indivíduo – o dono, o presidente, o diretor, o melhor vendedor – mas de todo o grupo. A maior rentabilidade, a redução dos índices de desperdício, o zero acidente, um elevado share of mind, tudo decorre do trabalho em equipe.
Da atual equipe do Corinthians, nenhum atleta integra o elenco da seleção brasileira. E praticamente não há titulares absolutos: a luta por um espaço no time é travada diuturnamente, a cada treino, a cada jogo.
Acrescente-se, ainda, que é necessário dar-se “tempo ao tempo”. Uma equipe não é simplesmente constituída, mas desenvolvida. Assim, a derrota para o Santos na final do campeonato paulista de 2011, foi parte do processo que culminaria com o título invicto da Libertadores 2012 e o Mundial Interclubes.
 
4. Marketing
 
O rebaixamento para a série B, em 2007, poderia configurar um período nefasto para os negócios do clube. Porém, foi o início de um processo de construção de marca que redundaria em recordes de público nos estádios, contratos milionários com a TV, novos patrocinadores, vendas de camisas e outros produtos via licenciamento, além de iniciativas inovadoras como patrocínios pontuais para jogos em finais de torneios e a venda de espaço publicitário nas axilas da camisa para o desodorante Avanço, elevando o faturamento até tornar-se o mais elevado entre todos os clubes do país.
E você, como tem cuidado do marketing de sua empresa? Lembre-se de Henry Ford: “Se eu tivesse um único dólar, investiria em propaganda”.
 
5. Paixão
 
Da Democracia Corintiana de 1982, passando pela campanha na série B até a Invasão do Japão em 2012, um ingrediente sempre esteve presente: a devoção do torcedor ao time. Como um casamento, nos bons e nos maus momentos, o “fiel” torcedor, reunido em um “bando de loucos”, sempre esteve presente, numa paixão que transcende os campos de futebol, invade as ruas no Carnaval, veste uniformes e canta hinos.
Seus colaboradores são igualmente apaixonados por sua companhia? Consomem seu produto, indicam seu serviço e defendem com afinco sua empresa? E seus consumidores, são os maiores propagadores de sua marca? 
Alcance esta grau de satisfação e reconhecimento para conquistar seu maior título: a liderança em seu mercado.
PS: Este articulista não é torcedor do Corinthians, mas respeita e admira sua recente trajetória. E aproveita para agradecer publicamente ao amigo corintiano Jorge Ifraim, que contribuiu com informações para este artigo.
 
* Tom Coelho é educador, conferencista e escritor com artigos publicados em 17 países. É autor de “Somos Maus Amantes – Reflexões sobre carreira, liderança e comportamento” (Flor de Liz, 2011), “Sete Vidas – Lições para construir seu equilíbrio pessoal e profissional” (Saraiva, 2008) e coautor de outras cinco obras.
 
 
Fonte : www.administradores.com.br

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Marketing & Idéias: 7 coisas que você deve aprender sobre marketing com Philip Kotler.

 
 
O mais célebre estudioso de marketing do mundo relata como as empresas podem utilizar novas estratégias para alavancar seus negócios em um ambiente digital.
 
Com cinco milhões de cópias vendidas de seus livros e traduzido em mais de 40 países, Philip Kotler recebeu um status que poucos estudiosos e professores já conquistaram. Considerado o principal nome do marketing atual e a sexta pessoa mais influente do mundo pela Wall Street Journal, ele se tornou uma lenda viva ao ser o detentor de muitas teorias estudadas nas universidades e utilizadas pelas empresas em todo o planeta. Apesar de seus 81 anos, Kotler ainda mostra disposição ao circular pelo mundo disseminando seus conceitos em palestras e consultorias.
 
Veja sete características do novo Marketing apontadas por Kotler:
 
1 - O antigo marketing morreu
 
"O marketing antigo morreu. Antes, os consumidores não tinham tanto conhecimento da empresa, eles só viam o que dizia a publicidade. Ou seja, as empresas detinham o monopólio da informação. Hoje, isso mudou. Você pode conhecer a empresa tanto quanto ela. Você pode entrar na internet e saber todos os detalhes de um produto, quem são seus concorrentes e tudo mais", destaca Philip Kotler.
E o professor relata um exemplo bem atual: "Hoje, quando você vai comprar um carro, você não vai simplesmente entrar na concessionária para saber do veículo, você vai perguntar aos seus cinco mil amigos no Facebook. No novo marketing, os consumidores estão mais inteligentes e bem informados", contou Kotler.
Segundo o professor, qualquer empresa que faz uma promessa que não pode cumprir terá problemas. "As empresas estão em um grande aquário e todo mundo pode ver o que está acontecendo dentro", compara.
2 – A inovação deve ser incansável
 
"Se você inovar frequentemente terá muitos fracassos, mas se você não inovar, sairá do mapa. Então, você não tem escolhas", indaga o professor Kotler. Para ele, "não basta ter apenas uma cultura de inovação, é preciso mantê-la constantemente, porque o mundo não para".
Kotler destaca que é exatamente isso que as grandes empresas mundiais como a Apple, Intel, Amazon e McDonald's fazem e é por isso que elas conseguem se manter no topo por muito tempo.
Ele ainda ressalta que não manter essa postura de inovação é a forma mais rápida de uma empresa falir, assim como aconteceu recentemente com a Kodak, que pediu concordata nos EUA. "Como as empresas morrem? Quando alguma tecnologia começa a ficar obsoleta e as empresas não querem abandonar o sistema. Às vezes tem muito dinheiro investido na antiga tecnologia", destaca Kotler.
 
3 – Conheça seus consumidores
 
Kotler defende as empresas que apostam em um marketing segmentado. Para ele, se antes era o marketing de massa o mais comum para atingir o maior número de pessoal, agora a tendência é justamente o micromarketing ou marketing de precisão. Ou seja, é preciso conhecer de perto os seus consumidores.
Dessa forma, é possível oferecer produtos e serviços que se aproximam mais das necessidades dos clientes. Esse pode ser um grande diferencial competitivo para as empresas que possuem muitos concorrentes diretos em seu mercado de atuação.
 
4 – Use o planejamento, pense no marketing em direção ao futuro
 
Philip Kotler defende que o departamento de Marketing deve ser um setor parceiro do planejamento estratégico, um elemento propulsor do crescimento da empresa. Ele relata que ainda hoje muitos desses setores se preocupam apenas com a publicidade e em elaborar comerciais, enquanto o objetivo deve atingir todos os 4Ps do Marketing (produto, preço, promoção e praça). "O marketing é um processo que deve passar por quatro etapas: planejamento, gestão, execução e mensuração", destaca.
Para Kotler, apesar de ser difícil fazer previsões em longo prazo, é importante também criar alguns cenários do que pode estar por vir. Essa é uma forma de tomar direções com menos probabilidade de erros para o futuro de uma ação ou da própria empresa.
 
5 - Intensifique suas ações nas redes sociais e conte histórias
 
Uma das formas de conquistar fãs de uma marca, segundo Kotler, é a capacidade de as empresas contarem histórias envolventes. Dessa forma, as pessoas se sentem mais próximas da organização.
Uma excelente plataforma para fazer isso são as redes sociais. No entanto, o professor alerta sobre a forma de utilizar essa mídia: "Não use o Facebook para vender seu produto, use para fazer relações", afirma.
O professor destaca que duas empresas sabem fazer isso muito bem: a Coca-Cola e o McDonald's. "Eles sabe contar histórias diferentes para mães, para crianças, para idosos. Eles têm formas de se comunicar com diferentes grupos e utilizam muito bem o marketing narrativo", declara.
 
6 - Chame seus consumidores para desenvolverem seus produtos com você
 
Kotler defende a tese da cocriação nos negócios e no marketing atual. Ela permite de alguma forma que o cliente ou usuário faça parte do processo criativo e produtivo da empresa.
"Não e só testar um produto. Chame o consumidor para participar da criação dele. A Harley-Davison, a Lego, a GM e a Lexus são alguns expoentes nessa linha. A Lego, inclusive, pede ajuda a crianças para desenvolver seus novos produtos", destaca o professor.
E Kotler explica que esse tipo de ação é até possível com campanhas, como fez a marca de salgadinhos da Doritos. "Eles pediram para as pessoas ideias para sua nova campanha de marketing e receberam mais de 10 mil sugestões diferentes".
 
7 – Tenha responsabilidade socioambiental em suas ações
 
Baseado em sua teoria de Marketing 3.0, Kotler destaca que os consumidores de hoje estão consumindo de empresas que possuem cada vez mais uma preocupação com algum tipo de questão socioambiental.
Para ele, o futuro das empresas deve estar alinhado com essas diretrizes e com elas possuírem visão, missão e valores. "Entre aquilo que é certo e aquilo que é lucrativo, as empresas 3.0 preferem o certo. Elas abrem mão de algum lucro momentâneo para embutir em seu DNA um padrão de responsabilidade social", afirma.
Kotler destaca que se antes a máxima era: "o que é bom para a empresa, é bom para a sociedade', hoje, "o que é bom para a sociedade, é bom para a empresa". 


Fonte: www.administradores.com.br

quinta-feira, 6 de junho de 2013

Marketing & Idéias: Quer saber como Olivetto criou seus melhores anúncios?


 
Quem não gostaria de saber como Washington Olivetto, chairman da W/McCann e um dos maiores publicitários de todos os tempos criou seus melhores anúncios e desenvolveu as suas mais criativas campanhas?
 
Você pode descobrir tudo isso através da agradável leitura do livro “A propaganda brasileira depois de Washington Olivetto”, escrito pelo também publicitário e professor da PUC-Rio, João Renha.
 
Quer concorrer ao livro? Basta responder a pergunta abaixo:
 
Se você tivesse que vender o publicitário Washington Olivetto através de um slogan, qual seria?

O autor do melhor resposta vai ganhar um livro. A promoção vai até o dia 14 de junho.

Coloque seu nome, e-mail e slogan na caixa de comentários deste link
 
 
Fonte: www.adnews.com.br
 
 

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Marketing & Idéias: Decreto presidencial garante "direito de arrependimento" nas compras online.

 
Norma entrou em vigor no dia 14 de maio; com a determinação, fica mais clara a obrigação dos sites em fornecerem diversas informações ao consumidor. Veja quais:
 
* Por Alessandro Ragazzi
 
Uma das grandes dificuldades enfrentadas pelos consumidores que adquirem produtos pela internet é o exercício do chamado “direito de arrependimento”.
Esta regra, estabelecida pelo Código de Defesa do Consumidor, prevê que, nas compras a distância (internet, TV, telefone, catálogo) em que o consumidor não entra em contato direto com o produto antes da compra, tem ele o direito de se arrepender, em até sete dias após ter recebido o produto, devolvendo o mesmo à loja e tendo, consequentemente, seu dinheiro de volta.
 
Acontece que, em muitos casos, os sites de compras não disponibilizavam os meios para o exercício de tal direito. Em muitos casos, nem mesmo um endereço para devolução era informado.
 
Visando acabar com este problema, entrou em vigor o Decreto Presidencial nº 7.962/2013, que regulamenta alguns dos direitos dos consumidores, nas compras pela internet. A nova norma prevê, entre outros deveres ao fornecedor, a fácil visualização de informações e facilidade em possíveis devoluções. 
 
Com a determinação, fica mais clara a obrigação dos sites em fornecerem informações como endereço físico, despesas adicionais claras, quantidade de produtos quando for relacionado a compras coletivas, visualização imediata e fácil do contrato de adesão, o CNPJ, dentre outras especificações que facilitarão a compra e eventual devolução.
 
A norma trata ainda das obrigações dos chamados sites de “compras coletivas”. A partir de agora eles terão que informar a quantidade mínima de consumidores para a efetivação do contrato, o prazo para utilização da oferta pelo consumidor, e a identificação do fornecedor responsável pelo sítio eletrônico e do fornecedor do produto ou serviço ofertado.
 
Outra facilidade trazida pelo Decreto está no fato de que, a partir de agora, o consumidor pode desistir da compra pelo mesmo meio que a efetivou, ou seja, pelo próprio site de compras. O arrependimento obrigará o fornecedor a devolver o valor pago ou comunicar imediatamente a operadora de cartão, para que eventual débito seja cancelado ou estornado.
 
A nova norma entrou em vigor no dia 14 de maio, e todos os sites de compras estão obrigados a cumprir a regra. Mais uma vez o Brasil se mostra na vanguarda da legislação consumeirista.
 
 
* Alessandro Ragazzi é  formado em Direito pela PUC/SP. Pós graduado em Direito Tributário pela PUC/SP. Palestrante e autor de diversos artigos jurídicos, foi professor universitário durante quatro anos, pela UniSant’anna. Membro da Comissão de Eventos da OAB-Tatuapé e Comissão de Defesa da Cidadania. É sócio e responsável pela área de contratos e proteção patrimonial.
 
 
Fonte: www.administradores.com.br



quarta-feira, 8 de maio de 2013

Marketing & Idéias: 8 de Maio - Dia do Profissional de Marketing.



Parabéns a todos os meus colegas de profissão, publicitários, mercadólogos e profissionais de marketing e também a todos os profissionais de propaganda deste país, que através de idéias criativas conseguem se comunicar com seus clientes e consumidores de forma positiva e eficaz.


"Uma idéia na cabeça e um produto no mercado ..."


Luiz Fernando Madalozo

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Marketing & Idéias: 275 lojas online em que você não deve comprar.



Lista é divulgada pelo Procon/SP desde 2011 e recebeu atualização nesta segunda-feira (22).
 
275 lojas online em que você não deve comprar. O Procon/SP divulgou atualização de lista de sites não confiáveis, com 71 novos nomes. A divulgação ocorreu nesta segunda-feira com a inclusão de mais 71 sites de e-commerce em sua lista de sites não confiáveis.

Com o acréscimo, agora são 275 os sites não recomendados pelo órgãos. A justificativa para a inclusão no documento é o alto número de reclamações contra os fornecedores citados, principalmente por não entregarem os produtores comprados e não responderem ao Procon quando solicitados.

A lista completa está disponível no site do Procon/SP.
 
 
 
Fonte: www.administradores.com.br / Procon/SP. 
 
 

domingo, 21 de abril de 2013

Marketing & Idéias: Propaganda e Marketing: sinergia ou entropia?

 
Cuidado com novos publicitários imediatistas que mais se parecem com agentes financeiros que publicitários.
 
* Por Carlos Hilsdorf
 
Há uma estreita relação entre Marketing e Propaganda, embora sejam áreas muito específicas e o conhecimento e sucesso em uma delas, embora contribua, não implica sucesso da outra. Enquanto profissional de marketing você terá que estabelecer excelentes critérios e uma relação de qualidade com a agência ou agências que escolher para realizar os jobs necessários a seus objetivos e metas institucionais e comerciais. Esta relação quando construída sob critérios adequados, relacionamento de qualidade e muito bom senso proporciona resultados muito além dos previstos.
Acontece que várias ilusões extremamente comuns prejudicam a qualidade destes resultados. Critérios adequados, relacionamento de qualidade e bom senso não são tão espontâneos como parecem, precisam ser elaborados, construídos e administrados com carinho e proximidade. Vejamos algumas das inúmeras variáveis que devem ser levadas em conta na relação entre marketing e agências de propaganda.
 
Como escolher a agência:
 
A melhor agência não é a maior ou menor, é a que mais se compromete em entender a fundo o cliente e trabalhar duro para exceder suas expectativas. A palavra-chave é comprometimento!
Lembre-se que a relação entre agência e cliente é B2B, e salvo o caso raro e especial em que haja um vínculo pessoal muito forte entre seus representantes, o resultado que você pode esperar em termos de dedicação é diretamente proporcional à importância da conta que você está oferecendo. Por isso, se você não tem uma grande conta ou job para oferecer, muitas vezes, é melhor trabalhar com agências pequenas e médias, para quem você representa proporcionalmente mais, que optar pelo sonho de entregar suas solicitações a agências mais consagradas e premiadas, cujo tempo está comprometido com seus maiores clientes. É melhor ser um cliente "grande" em uma agência "pequena", mas competente, que um cliente "pequeno" em uma agência "grande"!
 
Cuidado com novos publicitários imediatistas que mais se parecem com agentes financeiros que publicitários; estes, em geral, estão iludidos pelo glamour que imaginam alcançar e, portanto, com a premissa e o foco equivocados. Opte pela agência mais dedicada a entendê-lo, suas reais necessidades e possibilidades para o momento e, ao mesmo tempo, disposta a dedicar-se a surpreendê-lo com a qualidade e adequação do seu trabalho. Podemos entender que Propagada é Comunicação + Arte + Business, nenhum destes vértices pode faltar!
 
Como ser um bom cliente:
 
Bons clientes, de fato, são tão difíceis de achar quanto boas agências. Estou cansado de ver agências apresentarem ideias geniais, conceitos extraordinários, que naufragam porque o "ego" do cliente resolveu fazer uns "pequenos ajustes". Nem todo profissional de marketing entende em profundidade de propaganda. Há gente que não é da área e entende muito e outros da área que entendem pouco. As duas melhores características de um bom cliente de uma agência de propaganda são: humildade e mente aberta para receber propostas diferentes das que havia imaginado, com as quais precisa namorar, entender e só então opinar...
O bom profissional de marketing tem a agência como parceira, não como competidora no campo de suas vaidades pessoais. Os "jogos de poder" entre cliente e agência são contra produtivos, um desperdício de tempo, dinheiro e trabalho. O cliente pode e deve orientar e reorientar a agência sobre os detalhes conceituais e institucionais que deseja ou não presentes nas peças e campanhas, mas precisa de muita humildade e bom senso para tentar "mexer" na criação, cuja linguagem não domina. Ser um bom cliente é saber que determinadas vezes vale a pena ampliar o budget frente a uma excelente ideia, na qual vale apostar e investir antes que um concorrente o faça! Grandes sacadas e oportunidades não ocorrem todo o dia, mas por incrível que pareça, às vezes ocorrem quase que simultaneamente a dois concorrentes observando o mesmo mercado! Fique atento.
 
Algumas dicas:
 
1) Cuidado com os excessos de solicitação e criação. Lembre-se do que dizia Picasso: "O segredo é saber o momento em que se deve parar; mais um traço estraga, mais uma pincelada e a obra se perde!"
2) Prefira agências com um atendimento muito dedicado e detalhista; afinal o briefing inicial é fundamental para a adequação da criação.
3) Prefira agências onde redator e diretor de criação trabalham em conjunto, pensando juntos (dupla de criação).
4) Reflita: "Estamos sempre mais ansiosos por sermos reconhecidos por um talento que não possuímos que valorizados pelos outros quinze que, de fato, possuímos" (Mark Twain).

Colabore com a agência, você tem a estratégia, ela descobrirá a melhor maneira de comunicá-la ao mundo! Bons negócios!
 
 
* Carlos Hilsdorf é considerado um dos melhores palestrantes do Brasil na atualidade. Economista, Pós Graduado em Marketing pela FGV e profundo pesquisador do Comportamento Humano. Palestrante do Congresso Mundial de Administração (Alemanha) e do Fórum Internacional de Administração (México). Autor do Best Seller “Atitudes Vencedoras”, apontado como uma das 5 melhores obras do gênero (VEJA, "Guia de Carreira", ed. 1832). Colunista de importantes veículos nacionais, é referência em desenvolvimento humano no país • contato@carloshilsdorf.com.br • Twitter: @carloshilsdorf
 
 
Fonte:  www.cidademarketing.com.br