segunda-feira, 30 de maio de 2011

Palestra Marketing em Debate foi um sucesso !















Superando todas as Expectativas!

Essa é a melhor definição para o primeiro evento “Marketing em Debate” que aconteceu no dia 27 de Abril no Teatro Valdemar de Oliveira.

O evento teve a presença de profissionais ilustres e renomados no mercado.

A abertura foi com o Sérgio Vieira, Dir. de Marketing da Coca Cola que trouxe com exclusividade a Palestra sobre o Projeto Coletivo da Coca Cola. Ovacionado pelos alunos surpreendeu com a jovialidade e encantou a todos com seu conhecimento e segurança.

Em seguida, Felipe Menezes Gerente de Marketing e Comercial do NE 10 do Sistema Jornal do Comércio, falou sobre tudo que tem na atualidade e novas tendências nas Plataformas Digitais. Um profissional inteligente,versátil e super jovem que passou seu conhecimento para a platéia que nem piscava no momento de atenção.

Para fechar o evento tivemos o Antero Barbosa, Dir. de Marketing e Comercial da Agência MV2 que adicionou toda sua experiência de mercado e em palestras. Domínio total dos alunos que ficaram querendo mais.

Que venha agora o próximo Marketing em Debate. O desafio será superar o sucesso do primeiro e os brilhantes palestrantes.

Fonte: www.ibgm.org

Tive a honra e o prazer de participar desta palestra e confirmar o conteúdo acima descrito. Inclusão social, empreendedorismo, mídias sociais e novas tendências, consultoria em marketing e visão de futuro por parte do profissional de marketing foram alguns temas abordados na palestra.

Parabéns aos palestrantes que souberam conduzir o evento nos passando grandes lições, e parabenizo também a organização pela escolha dos convidados.

Luiz Fernando Madalozo



domingo, 29 de maio de 2011

Renner tem perfil no Twitter assinado por blogueira de moda.


Perfil da marca no microblog unirá o conteúdo institucional aos posts de Lu Ferreira.

A Renner realiza uma parceria com a blogueira de moda Lu Ferreira e terá sua página no Twitter assinada pela profissional. A iniciativa tem o objetivo de ampliar o número de seguidores da marca e estará no ar até a próxima quarta-feira, dia 1º de junho.

O microblog associará o conteúdo institucional ao material postado pela blogueira, com informações sobre moda, beleza e assuntos ligados ao estilo da marca. A agência 3YZ assina a ação.

Fonte: www.mundodomarketing.com.br


sexta-feira, 27 de maio de 2011

Oitava edição da pesquisa Marcas que Eu Gosto premia 36 empresas.

Desejo, prazer, felicidade, euforia, alegria, descontração e tranquilidade. Esses são os principais sentimentos despertados pela Esposende nos pernambucanos, de acordo com a oitava edição da pesquisa Marcas que eu gosto, realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) em parceria com o Diario de Pernambuco. A empresa de calçados foi uma das 36 vencedoras da tradicional apuração que, em 2011, aprimorou o levantamento das emoções ligadas aos produtos, análise que havia sido testada em 2010.

“Fazemos uma pesquisa quantitativa, ou seja, nosso objetivo é encontrar, dentro de uma amostra da população, qual a marca mais querida. Mas avançamos nas duas últimas edições, e procuramos saber quais sentimentos são suscitados pela lembrança dos produtos”, explicou o coordenador do estudo, Maurício Garcia. Para Eliana Müller, gerente de marketing do grupo Esposende, a apuração feita pelo Ipespe expõe a identificação dos recifenses com a marca, algo mais profundo do que um simples recall. “A pesquisa mostra o vínculo afetivo dos nossos clientes e é essa relação que fideliza o consumidor”, acredita.

Já para a Asa, que foi vitoriosa com a farinha de milho Vitamilho, o sabão em barra Bem-te-vi e o extrato de tomate Palmeiron, o estudo comprovou que os consumidores pernambucanos sabem reconhecer produtos de qualidade. “As pessoas estão mais informadas. Não adianta investir em propaganda e colocar uma mercadoria inferior nas prateleiras do supermercado”, disse o gerente de marketing coorporativo da empresa, Wagner Mendes.

Alberto Galindo, diretor comercial da Ferreira Costa, campeã na categoria Homecenter, concorda. “Existe uma nova classe média se formando no Brasil e essas pessoas não querem apenas consumir, querem produtos que se integrem ao seu dia a dia, querem comprar de empresas que tenham responsabilidade social e preocupação ambiental.” Por causa disso, a empresa tem apostado firmemente em conceitos como acessibilidade e reciclagem. “Fazemos eventos com casas decoradas e montadas especialmente para cadeirantes, temos sacolas reutilizavéis e recicladas, trabalhamos com produtos que não agridem o meio ambiente. Estamos no caminho certo”, completou.

Alano Vaz, diretor de comercialização e marketing do Diario, acredita que além do reconhecimento e do esforço das empresas vencedoras, a pesquisa ajuda os publicitários e órgãos de comunicação a traçar um perfil dos consumidores locais. “’O Marcas que eu gosto’ é o melhor termômetro de mercado que temos em Pernambuco”, destaca.

Mais emoções

Imagine que uma empresa quer lançar um produto novo e contrata a melhor agência de marketing do Brasil. Antes da divulgação, essa marca realiza pesquisas para identificar ameaças e oportunidades e reúne todas as ferramentas da publicidade tradicional. Provavelmente a campanha será um sucesso, a não ser por um detalhe: os consumidores reagem diferentemente, têm individualidade. Foi isso que levou o Ipespe a acrescentar a análise das emoções no Marcas que eu gosto.

“As pessoas têm uma ligação com os produtos que consomem e querem que estes traços sentimentais sejam mantidos. Quando fazemos a aferição das emoções que as empresas despertam nos seus clientes, estamos indicando os caminhos que podem ser trabalhados para a sua fidelização”, dise Maurício Garcia.

O sucesso, porém, não deve ser pensado de forma imediatista, segundo Vilson Trintinaglia, diretor de Vendas da AkzoNobel, detentora da Coral. A marca foi relacionada a sentimentos como amor de mãe, segurança e sensação de poder. “Esta ligação é resultado de um trabalho de anos. Investimos em pesquisa na melhoria de nossos produtos, temos profissionais que estão sendo constantemente treinados. Isso é ter respeito aos nossos consumidores.”

No dia 27 deste mês, o Diario publica uma revista especial sobre as marcas vencedoras. “Traremos o histórico dessas empresas que os pernambucanos tanto amam”, reforçou Isabelle Gayoso, gerente de marketing do Diario.

Fonte: www.diariodepernambuco.com.br

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Meio & Mensagem estréia no Programa Vitrine da TV Cultura.

.
O quadro Meio & Mensagem, gravado na redação do jornal que leva o mesmo nome (ou apenas M&M) é uma das mais importantes plataformas de comunicação, marketing e mídia do País.

Apresentado por Regina Augusto, diretora editorial da Editora Meio & Mensagem, o boletim irá destacar os principais assuntos da semana ligados ao mercado publicitário. “O quadro irá ao ar em um momento especial do M&M, que está passando por uma ampla reformulação, visando aumentar ainda mais a nossa relevância e a integração entre os canais on e off-line”, afirma Regina.

Fonte: tvcultura.cmais.com.br

terça-feira, 24 de maio de 2011

Guaraná Antarctica forma coral de galinhas

Marca garante que é mais fácil fazer galinhas cantarem do que descobrir a fórmula do refrigerante.

Para ressaltar mais uma vez a sua misteriosa fórmula secreta, o Guaraná Antarctica apresenta uma campanha bem humorada, criada pela DM9DDB. O filme retrata uma situação inusitada: um coral formado por galinhas, regido por um maestro e com a presença do tenor galo. A intenção é mostrar para as pessoas que é mais fácil fazer galinhas cantarem um coral, do que descobrir a fórmula do refrigerante. A companhia guarda este segredo desde 1921.

O comercial estreia na quarta-feira, 25, em TV aberta e por assinatura, mas já pode ser visto na fan page da marca no Facebook, no perfil do Twitter e no canal Guaraná Antarctica no YouTune.

Para prestigiar os fãs do Guaraná Antarctica nas redes sociais, o comercial, que só vai ao ar no dia 25 de maio, poderá ser visto em primeira mão na Fan Page da marca no Facebook, no perfil da marca no Twitter e no canal Guaraná Antarctica no YouTube.

Com criação de Otavio Schiavon e Gustavo Victorino. A direção de criação é de Sergio Valente, Guilherme Jahara, Marcelo Reis, Cassio Zanatta e Rodrigo Almeida. A produção é da ParanoidBR, com direção de Luis Carone. A produtora de áudio é a Saxsofunny.




Fonte: www.meioemensagem.com.br

domingo, 15 de maio de 2011

Você reconhece uma marca pelo slogan?


A Exame.abril.com criou um teste simples e interessante para você avaliar seu conhecimento sobre slogans existentes no mercado.

Vale a pena conferir, faça o teste e descubra se você conhece algumas famosas assinaturas do mercado.


Fonte: Exame.abril.com.br


Greenwashing é o nome comercial da demagogia verde.

O Greenwashing é como dar um banho verde em coisas que não possuem cuidado algum com a natureza ou com a sociedade em sua essência.

Não há dúvidas de que sustentabilidade seja a palavra da moda e isso tem um lado positivo, que é o fato de incentivar ações preocupadas com o desenvolvimento levando em consideração a igualdade no tripé: social, ambiental e econômico. Mas, também tem um lado negativo que é o uso inadequado deste termo, com interesses puramente comerciais.

O apelo ecológico tem atraído os clientes mais preocupados com o futuro do planeta e esse fato despertou uma luz no mundo dos negócios e das propagandas, resultando em algo que o mercado internacional chama de “Greenwashing”. Isso seria como dar um banho “verde” em coisas que não possuem cuidado algum com a natureza ou com a sociedade em sua essência.

Em 2009, quando a sustentabilidade começou a ganhar força e se popularizar, a Revista Veja publicou sete dicas para ajudar o consumidor a identificar as propagandas enganosas da publicidade. Existem dicas simples que podem ser colocadas em práticas com eficiência ainda hoje.

Veja como identificar essa prática em diversas situações

O primeiro item que merece atenção são os termos obscuros. Mesmo que o assunto esteja mais comum a cada dia, existem expressões, principalmente em inglês, que não são de domínio público e mesmo assim são usadas pelas empresas para tentar fisgar aqueles clientes mais desatentos, como "eco-friendly".

As imagens sugestivas, que mostram uma realidade impossível também devem ativar o radar do consumidor. Nesses casos, é comum as empresas usarem imagens de plantas e flores, em meio a outras coisas que não têm qualquer relação ambiental. Os selos de qualidade ambiental, ou que certificam algum produto utilizado como matéria-prima, devem possuir sempre o carimbo de alguma instituição séria e comprometida com a sustentabilidade.

Os consumidores precisam atentar às comparações feitas com outras empresas, quando a propaganda caracteriza o produto como mais “verde” do que a concorrência. Antes de tomar isso como um fator positivo é preciso saber o que a concorrência faz, pois se tudo for errado, então ser melhor do que eles não significa necessariamente ser bom.

O quinto ponto levantado pela revista é a falta de credibilidade, já que nem todos os produtos que possuem a palavra “ecológico” em sua capa são realmente saudáveis ou seguros. Por isso, além da embalagem é preciso analisar todo o conteúdo. O uso de palavras muito técnicas ou específicas pode ser outra amostra de que o produto não é confiável. As palavras que não são de conhecimento comum podem gerar outras ideias a partir de sua sonoridade ou similaridade a uma palavra de diferente sentido.

Para uma empresa mostrar que o seu comprometimento com a sustentabilidade vai além do Greenwashing ou do discurso, ela precisa comprovar na prática. Portanto, provas, relatórios e constante comprometimento com a verdade são essenciais para conquistar verdadeiramente o consumidor e deixar de lado o tal do “blá, blá, blá” da sustentabilidade.

Fonte: Exame.abril.com.br


sexta-feira, 13 de maio de 2011

Qual é a formação ideal para trabalhar com redes sociais?

Profissionais falam sobre a necessidade de escolas que formem profissionais para atuar na área.

A crescente necessidade das empresas monitorarem as redes sociais e planejarem ações de Marketing para estes canais é uma oportunidade para os profissionais da área. Quem deseja se dedicar ao trabalho em sites como Orkut, Twitter e Facebook tem como perspectiva salários iniciais em torno de R$ 1.500,00, mas que podem chegar a R$ 12 mil, dependendo do cargo ocupado e do porte da empresa.

Segundo a pesquisa Marketing Visão 360º, realizada pelo Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International, os investimentos em redes sociais são realizados por 67% das empresas brasileiras. Ações deste tipo são as segundas de Marketing Digital mais utilizadas, perdendo apenas para o E-mail Marketing, com 80% das citações. Os números mostram o potencial da área para quem deseja apostar no segmento como oportunidade de trabalho.

Como a prática é recente, a especialização em mídias sociais ainda não é frequente no meio acadêmico. Mas se até bem pouco tempo bastava ter afinidade com a internet e as redes sociais, agora o cenário começa a se modificar e torna-se mais concorrido. Com o aumento da oferta de empregos na área, conhecer os conceitos e as ferramentas de Marketing a fundo é cada vez mais importante para saber aproveitar ao máximo as possibilidades oferecidas pelas mídias sociais.

Para isso, é necessário compreender como funciona o mercado e o comportamento do consumidor, além de construir relacionamento e fazer um bom trabalho de branding. A partir daí, é possível utilizar as ferramentas como armas dentro do planejamento de ações. Quem souber agregar conhecimentos estratégicos de Marketing ao entendimento sobre tecnologia, informática e comportamento humano pode aumentar suas chances de atuar no segmento.

Conhecimento autodidata

O processo de amadurecimento do mercado faz com que a formação dos profissionais seja, de certa forma, empírica. “Por ser algo relativamente novo, a busca por conhecimento está sendo por experimentação. As mídias sociais estão na internet há um tempo, mas o boom veio de três anos para cá”, acredita Mauricio Salvador, Diretor Geral da E-commerce School.

Mas apesar de ser válido, o aprendizado autodidata dos profissionais não é suficiente para as empresas que buscam candidatos. Hoje é possível encontrar pós-graduações em Marketing Digital, que trazem conteúdo de mídias sociais. Há ainda cursos específicos, como é o caso da E-commerce School, que oferece os de “Marketing em Redes Sociais” e “Formação de Gerente de Mídias Sociais”.

“O cenário atual melhorou bastante em relação há três anos, quando não existiam pós, cursos e palestras sobre o tema. Ainda não há uma pós focada 100% em mídia social e também não vejo essa necessidade. O profissional que for trabalhar nesta área tem que ter base de Comunicação e Marketing para depois se especializar em Marketing Digital”, explica Andre Telles, CEO da agência Mentes Digitais e autor dos livros Orkut.com, Geração Digital e A Revolução das Mídias Sociais.

Faltam mídias sociais na graduação

No ambiente acadêmico, entretanto, o tema não aparece nos cursos de graduação. “Sinto falta da disciplina de Marketing Digital, ou até mesmo de mídia social, na própria graduação de Comunicação Social. Os alunos estão saindo da faculdade sem uma base principal para permear todas as estratégias de Marketing, que hoje passam pelas plataformas digitais”, acrescenta Telles.

Já em relação às pós-graduações, o maior problema está na falta de opções fora das capitais e dos grandes centros. Outra questão é a baixa qualidade de cursos que prometem formar profissionais na área. Com o aumento da procura, é natural que apareçam também muitas ofertas.

“Têm aparecido muitos cursos na área, porque o mercado é novo e há muita demanda. Dentro disso, no entanto, há muito oportunismo. Cursos com professores pouco qualificados, ou meramente técnicos”, ressalta Nino Carvalho, Consultor de Estratégias Digitais, Superintendente de Marketing da Ativa Corretora e Coordenador dos cursos de MBA e Pós MBA em Comunicação e Marketing Digital da FGV.

Técnica aliada a conceitos

O risco de se tornar um profissional meramente técnico quando o assunto são as redes sociais é outro obstáculo para quem deseja atuar na área. Não adianta ter aulas que ensinam apenas a usar um software e não falam em estratégias, planejamento de Marketing ou como usar as ferramentas disponíveis na internet. Uma saída para as escolas é preencher o corpo docente com profissionais de mercado, que saibam aplicar na prática os conceitos de mídia social e tenham casos para exemplificar.

Estes profissionais são também responsáveis por contribuir para o desenvolvimento do mercado. “Ainda há uma divisão das áreas online e offline por parte da empresas. Mas acredito que daqui a um tempo teremos uma diretoria de Marketing mais integrada”, diz Carvalho, da FGV.

As mudanças nas empresas contribuirão também para o meio acadêmico e as possibilidades de formação para quem deseja se especializar. “Na medida em que vão aparecendo cases, o mercado começa a amadurecer. Assim como hoje poucas pessoas fazem curso de informática, acredito que chegará um momento em que a questão do uso das mídias sociais será natural por estar diluída no dia a dia”, conta Salvador, da E-commerce School.

Mas o executivo lembra que, mesmo as redes sociais estando integradas à rotina dos profissionais e das empresas, é necessária uma evolução do meio acadêmico. “As técnicas para usar as redes como negócio, transformar em venda e relacionamento devem passar por uma escola e um professor experiente que ensine a linguagem. Hoje faltam profissionais para exercerem a função nas empresas, mas também há poucos professores qualificados”.



Fonte: www.mundodomarketing.com.br

terça-feira, 10 de maio de 2011

Coca-Cola e Domino`s dividem caixa de pizza.


Em uma ação de co-branding, as embalagens das pizzas Domino`s passarão a estampar mensagens de otimismo inspiradas na nova campanha da Coca-Cola, com o tema “Razões para acreditar. Os bons são maioria”.

As caixas, comercializadas nas lojas da rede espalhadas pelo país, vêm acompanhadas de frases como “para cada tanque de guerra fabricado no mundo, são produzidas centenas de milhares de ursinhos de pelúcia” e “para cada pessoa dizendo que tudo vai piorar, há uma centena de casais planejando ter filhos”.

Fonte: Exame.abril.com.br

Coca-Cola traz de volta sua primeira garrafa de vidro.


Depois de criar um "nostálgico" comercial e lançar uma coleção de embalagens em que revisita as pin-ups, a Coca-Cola continua em ritmo de comemoração pelos seus 125 anos.

Agora, a marca relançou na Inglaterra a primeira garrafa de vidro usada no mercado. A "The Hutchinson", como é chamada, nem mesmo traz a clássica silhueta pela qual a embalagem da Coca-Cola é conhecida hoje.

A "The Hutchinson" foi criada em 1899 e será vendida exclusivamente pela loja de departamentos Selfridges, nos pontos de venda ou pela internet. Pode ser comprada sozinha ou em um kit de colecionador que traz outras três garrafas também antigas.

Fonte: Exame.abril.com.br

domingo, 8 de maio de 2011

Ofendidos, homens pedem fim de campanha da Bombril.


Grupo foi ao Conar para pedir suspensão da publicidade. Nos filmes da campanha, Dani Calabresa, Marisa Orth e Monica Iozzi satirizam os homens

Um grupo de homens ofendidos com a campanha da Bombril, “Mulheres Evoluídas”, foi ao Conar para pedir suspensão da publicidade.

Eles alegam que o tema abordado é um estímulo à discriminação. O Conselho recebeu, mas arquivou o pedido. As informações são de Lauro Jardim para a Veja.

Nos filmes da campanha, Dani Calabresa, Marisa Orth e Monica Iozzi satirizam os homens e ensinam lições de “adestramento" do sexo oposto.

Assista ao comercial:




Fonte: Exame.abril.com.br


Era só o que faltava ! Tá faltando um pouco de senso de humor para estes "homens ofendidos".

Ainda bem que o Conar teve este senso de humor e resolveu arquivar o pedido, pois achei genial e muito engraçado. GRANDE AÇÃO DE MARKETING !

Luiz Fernando Madalozo