quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Marketing & Idéias: 15 conselhos de Eike Batista para quem quiser ser o próximo bilionário



Biografia do empresário se concentra em lições para os homens de negócios.

Quando Steve Jobs convidou o jornalista Walter Isaacson para escrever sua biografia, lhe deu carta branca para abordar temas delicados e conversar com quem quisesse. Não é o caso de O X da Questão, que conta a história de Eike Batista. Lançado nesta semana, a obra foi escrita pelo seu assessor especial e amigo Roberto D’Ávila.

Sim, é claro que esta é uma versão mais do que autorizada da vida de Eike ao contrário de Steve Jobs, que não foi poupado por Isaacson. Mas ninguém vira o oitavo homem mais rico do mundo do nada. É possível encontrar boas lições para homens de negócios na obra.

Veja a seguir algumas delas:

O mundo precisa ser conquistado

“Minha mãe enxergava no mundo um lugar muito bom de viver, mas palco também de uma prova de resistência que precisava ser vencida com tenacidade ferrenha e obstinação que jamais fariam desistir ao primeiro obstáculo.”

Você acredita em você?

Um empreendedor é alguém que acredita na própria capacidade de realizar, pensa e repensa as etapas do seu projeto e dá vida a ele. Enxerga o que ninguém mais enxergou. Executa com eficiência. Isto vale para qualquer negócio. Seja qual for a dimensão. Antes de tudo, acredite em você.

Diga sim, quando todos dizem não

Aceitar o risco é um dom? Possivelmente, sim. Sempre estive preparado para dizer sim na minha vida. As pessoas costumam afirmar que é muito importante saber dizer não. É verdade. Eu já disse alguns. Mas talvez um dos segredos na minha trajetória empresarial seja a prevalência do sim.

Aprenda a aguentar a pressão

Alguém que se desespera em situação de crise, ou não tem a frieza necessária para enfrentar um obstáculo inesperado, deixará se vencer pelo estresse. (...) O estresse separa os homens dos meninos, os verdadeiros empreendedores dos que jamais montariam um negócio por sua própria conta e risco.

Arrisque, mas com os pés no chão

Arriscar não é partir para um voo cego. É ter coragem para enfrentar obstáculos que certamente surgirão. Com previsibilidade e planejamento, o risco se torna oportunidade.

Empresa precisa ter dono e às vezes, você estará sozinho

Um líder empresarial não deve delegar certas decisões. Algumas serão sempre solitárias. Muitas vezes é preciso deixar o coração em casa antes de tomar uma resolução. (...) No meu íntimo, eu me convenci então de que uma empresa precisa ter dono. O princípio de ser dono de um negócio é manter sempre vivo o alinhamento com seus parceiros e com o mercado.

Uma empresa precisa ter dono também para não correr o risco de se ver espremida entre forças antagônicas. Os caminhos, possibilidades e propostas que se apresentam no dia a dia de uma corporação são muitos. Quando existe a figura do controlador não há espaço para indecisão. Para o bem ou para o mal, ele decide.

Compartilhe seus sonhos com sócios estratégicos

Uma coisa ficou clara desde cedo: o espírito aventureiro precisava estar associado à pesquisa e ao compartilhamento de risco. (...) Aprendi a me associar. Tinha compreendido então os benefícios da presença de um sócio estratégico. Eu era desapegado o suficiente para abrir mão de parte dos meus negócios para vê-los gerar mais riqueza.

O corpo fala

“Um líder adquire o dom de ler o pensamento do interlocutor na expressão de seu rosto, numa sobrancelha franzida, num pigarro, num meneio de cabeça, num coçar de orelha. As pessoas têm muito a dizer com pequenos gestos e maneirismos. Enquanto expõe uma ideia, observe seu ouvinte.”

Seja humilde e aprenda a ouvir

A humildade é outro aspecto importante e correlato à capacidade de ouvir. Se você acha que só o que está na sua cabeça é válido, não terá interesse no que o outro tem a propor. Muitas das minhas ideias foram aprimoradas depois de conversas informais ou sugestões de especialistas e amigos (...). Quem ouve recebe ideias valiosas. Quem fala e não ouve apenas despeja suas verdades nas pessoas e a troca não acontece.

Cuide de todos os aspectos do projeto

Acredito que o empreendedor deve perseguir uma visão multidisciplinar, que proporcione clareza em relação a todos os procedimentos. Visão 360 graus é observar o entorno jurídico, político, financeiro, ambiental, social, humano, logístico, mercadológico e operacional.

Não deixe espaço para “puxadinhos”

Sou fanático por conceitos eficientes. Detesto “puxadinho”. Não me contento com nada que se defina como “mais ou menos”. Vivo para a excelência. É o que tenho em mente, quando vislumbro o futuro de minhas empresas e do Brasil.

O capital é de uma covardia descomunal

O capital é covarde. Esta é uma verdade no mundo dos negócios. O capital é de uma covardia descomunal e tem o poder de paralisar o capitalista quando ele se esconde atrás do próprio patrimônio. O medo é o grande inimigo do empreendedor, e o limite entre o medo e a paralisia é tênue.

Saiba quando parar

O tempo certo em cada negócio, aquilo que as pessoas chamam de “timing”, foi outro trunfo em meus empreendimentos. Mesmo nos casos de insucesso, fui feliz ao reconhecer o momento certo de parar. Eu me refiro ao que as pessoas qualificam como stop loss no mundo das finanças. Stop loss quer dizer interromper as perdas. Ou, em português mais claro, aceitar uma derrota.

Prepare-se: um dia, você vai errar

Não pense que é infalível ou que um negócio só vai dar certo de tudo for feito com a mais absoluta perfeição. Isso é utopia. (...) Não há perfeição num negócio. Faça, refaça, corrija e avance. A única coisa certa no mundo dos negócios é que você vai errar. Se tiver humildade para reconhecer esta verdade, terá meio caminho andado para aprimorar suas práticas como empreendedor.

Nunca terceirize os erros

É muito importante quando o empreendedor se assume como o responsável por um fracasso. Se há uma equipe, e se essa equipe conta com um líder, o fracasso é sempre responsabilidade dele. Nunca terceirize os erros. Não aponte o dedo nem jogue a responsabilidade sobre terceiros. O outro não é a melhor desculpa para um fracasso. O reconhecimento do erro engrandece o empreendedor. Costumo dizer o seguinte: feliz de mim que cometi erros.

Fonte: exame.abril.com.br
Postar um comentário